Complexo Cognitivo Motor Associado ao HIV

História Clínica: 
ID: A. M. D., sexo feminino, 38 anos, negra, lojista, destra, ensino médio incompleto. 
QP: apatia crescente, lentificação mental, retraimento e declínio cognitivo progressivo há 3 meses. 
HMA: teve 3 episódios por Pneumocystis carinii. Foi diagnosticada previamente com depressão, fazendo uso de fluoxetina há 6 meses pela referida falta de interesse e iniciativa, alega não ter notado melhora após a medicação. 
AP: hipertensão há 8 anos. Com uso regular de anti-hipertensivos.  
HV: Nega etilismo. Tabagista desde os 14 anos. Refere uso de anterior de drogas injetáveis (heroína) durante 2 anos na adolescência e atualmente utiliza maconha semanalmente.  
 
Exames Físicos: 
Sinais Vitais: Corada, hidratada, FC= 88 bpm; FR= 14 rpm ; PA= 130x90 mmHg; T:36,4ºC 
Lentificação dos movimentos rápidos dos olhos e das extremidades, hiperreflexia e hipertonia difusas e sinais de liberação. Sem alterações nos outros sistemas. 
 
Exames Laboratoriais: 
Foram realizados hemograma completo, exame do líquido cefalorraquidiano, testes rápidos para DSTs e ressonância magnética de crânio. 
Hemograma: Hb 13,4 Ht 41; Leucograma com 8500 leucócitos, com 65% neutrófilos, 0% bastões; eosinófilos 1%; linfócitos 20%; plaquetas 190.000; Glicemia de jejum 89; Uréia 38; Creatinina 1,0; Na 135; K 4,1; Ca 10,4. VDRL negativo. 
ELCefalorraquidiano: Pressão de saída: 155mm H20. Aspecto: nublado. Proteínas: 73 mg / 100 mL. Gamaglobulina: 12%. Glicose: 100 mL. Células: glóbulos brancos 3 por campo e nenhuma célula vermelha.  
Testes rápidos: HIV – positivo, Sífilis – negativo, HBV – negativo, HCV – negativo. 
RM CRÂNIO: Lesões da substância branca periventricular com lesões constrastadas nas regiões subependimarias e corticais, com linha média e cisternas basais ausentes, ventrículos laterais não visíveis; calota craniana sem alterações. 
 
 
Discussão de Caso: 
A hipótese diagnóstica a essa paciente é o complexo cognitivo motor associado ao HIV. Uma síndrome caracterizada pela disfunção motora, comportamental e cognitiva. Geralmente ocorre nos estágios tardios da infecção por HIV, frequentes também serem associadas a outras doenças sistêmicas causadas pela AIDS.  
Durante os estágios iniciais, pode ser confundida com transtornos depressivos pelos sintomas de falta de interesse e iniciativa. Faltando ainda outros critérios clínicos para ser caracterizada somente com um quadro depressivo. 
Sobre o exame de imagem, os pacientes demonstram áreas mal definidas na substância branca em ressonância magnética. 
Em pacientes com esse quadro, o exame neurológico demostra a presença de sinais difusos do sistema nervoso central, incluindo lentificação de movimentos ou movimentos rápidos alternantes das extremidades, um aumento gereralizado dos reflexos tendinosos profundos. Diferentemente de pacientes com infecção pelo HIV com lesões de efeitos de massa causada por toxoplasmose cerebral. 
O exame de líquido cefalorraquidiano demonstra alteração na concentração de proteínas, apresentando-se elevadas. 

NEUROLIGA - Liga de Neurocirurgia e Neurologia

Deixe seu comentário


COPYRIGHT 2016 - @e-sanar
@2016 - Todos os direitos reservados - Av. Prof. Magalhães Neto, 1856 - Pituba, Condomínio Edifício TK TOWER, Sala 1403, CEP 41810-012, Salvador-BA - Brasil Tel: 71 3497-7689

Parceiros